quinta-feira, 27 de agosto de 2015

DRE PENHA - curso de formação: “A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA PARA A CIDADE EDUCADORA”

DIÁRIO OFICIAL DA CIDADE DE SÃO PAULO – CIDADE - 27/08/2015 – PÁGINA 35
COMUNICADO Nº 61, DE 10 DE AGOSTO DE 2015.

O Diretor Regional de Educação da Diretoria Regional de Educação Penha, no uso de suas atribuições legais, conforme o que lhe representou DOT-P - Divisão de Orientação TécnicoPedagógica, COMUNICA a realização do curso de formação: “A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA PARA A CIDADE EDUCADORA”.

JUSTIFICATIVA Nosso habitar tanto tem sido indiferente ao outro, desrespeitoso, brutal, desleal, quanto tem sido afetivo, solidário, criativo e celebrativo. No fluxo cotidiano, não nos damos conta de que estabelecemos entre nós uma partilha conflitiva e contraditória, desigual, por vezes violenta, ao realizar nossas ambições e sonhos. Se habitar é o modo de ser dos homens no mundo, nossas obras, em contínua transformação pelo trabalho, acabam sendo como uma linguagem social materializada desse estar historicamente no mundo. Essa linguagem não verbal construída no espaço conta-nos sobre os nossos valores comuns, ensina-nos sobre a apropriação que fazemos delas, explicitando o sentido dos nossos atos. Que tipo de educação sustenta essas paisagens, de qual educação necessitam para sua qualificação, o que ensinam sobre nós mesmos e nossas práticas as paisagens e os projetos de educação? A correlação entre paisagem, experiência e aprendizagem convida a que se pense (experimentalmente) o próprio processo educativo. Desejamos pensar a cidade como um espaço de educação partilhada e experimental, como locus privilegiado no processo de aprendizagem, reflexão, ação criativa e da educação como construção da liberdade, do afeto e da alegria. Percebe-se que o destino das paisagens, como locais de experiência e de aprendizagem, e o das escolas como locais de formação para essa experiência e aprendizagem contínuas, estão relacionadas. O fracasso de uma repercute no fracasso da outra, assim como a melhoria de uma promove a melhoria da outra. Indo além, a paisagem oferece à escola muitos territórios educativos a serem em comum percebidos, construídos e transformados de acordo com princípios humanísticos. Não haveria aí um excelente programa de convergência dos nossos saberes disciplinares e existenciais, propondo o desafio de desenhar em ação um saber de qualidade sócio-ambiental-cultural? Como construir esse processo? Que oportunidades temos diante de nós?

OBJETIVOS: 1. Indicar algumas bases para uma compreensão transdisciplinar e interdisciplinar das questões urbanas e ambientais na organização do território e suas diversas escalas de entendimento, visando a elaboração de projetos pedagógicos nas escolas. 2. Favorecer e contribuir para instrumentalizar o desenvolvimento de roteiros e projetos de estudo e compreensão da cidade em seus aspectos urbanos e culturais. 3. Indicar possibilidades de desenvolvimento e construção de conhecimentos sobre a cidade a partir da compreensão de seus processos e possibilidades de transformação, e do papel da escola pública.

CONTEÚDOS: 1º Encontro: Apresentação; Paisagem: a fruição e a vivência da paisagem; Paisagem como arte; Conceitos: dinâmica e estrutura urbana, produção social do espaço, conectividade ecológica, história e memória, planejamento e gestão. 2º Encontro: Estrutura urbana atual de São Paulo; Roteiros e métodos de estudos da paisagem urbana, valorizando seus aspectos e dinâmicas enquanto produção social do espaço, questões ambientais e sociais e suas faces culturais, afetivas e existenciais. 3º Encontro: Atividade de campo: apreciação e dinâmicas da natureza. 4º Encontro: Um roteiro metodológico. 5º Encontro: Possibilidades de aplicação: a escola, a zona leste, a descoberta da cidade.

METODOLOGIA:O trabalho formativo pressupõe uma metodologia que envolverá aulas expositivas com exposição de uma base teórica que fomente um diálogo entre os diferentes pontos de vista, concepções, visões de mundo, e interfaces com as práticas pedagógicas presentes no cotidiano; Atividades práticas com dinâmicas de grupo sobre cada tema proposto e debatidas ao final dos encontros; Aula em campo para ser vivenciada como aporte metodológico.

PÚBLICO ALVO: DRE Penha - Professores de Ensino Fundamental II e Médio, em regência, complementação de jornada ou Módulo que, preferencialmente, estejam envolvidos com projetos na Unidade Educacional e Coordenadores(as) Pedagógicos(as) que, necessariamente, já desenvolvem projetos na Unidade Educacional.

LOCAL:POLO MOOCA/PENHA (MP) – EMEF Doutor Fábio da Silva Prado (Laboratório de Informática da DRE Penha), localizada na Rua Taquari, 459 – Mooca - CEP: 03166-000 – São Paulo – SP.

CRONOGRAMA: Turma Única: 17/09; 24/09; 26/09; 01/10; 08/10.
HORÁRIO
Dia 17/09 - Das 14h00 às 22h30
Dia 24/09 - Das 14h00 às 22h30
Dia 26/09 - Das 09h30 às 17h30
Dia 01/10 - Das 18h30 às 22h30
Dia 08/10 - Das 18h30 às 22h30

CARGA HORÁRIA: 33 (trinta e três) horas presenciais.

REGÊNCIA: Euler Sandeville Júnior (RG. 8.221.258), Professor Livre Docente da graduação e pós-graduação da FAU USP e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental da USP.

VAGAS: 40 vagas por turma. Sendo 30 (trinta) para Professores de Ensino Fundamental II e Médio que atuam nos Ciclos Interdisciplinar e Autoral e 10 (dez) para Coordenadores Pedagógicos. A realização do curso está condicionada a um número mínimo de dez inscrições por turma sendo as mesmas consideradas por ordem de chegada. Havendo vagas remanescentes, Professores de Educação Infantil e Ensino Fundamental I que atuem no Ciclo Interdisciplinar e que desejem desenvolver projetos educativos relacionados com a compreensão da cidade na formação dos alunos.

INSCRIÇÕES: As inscrições deverão ser realizadas no período de 01 à 14 de Setembro de 2015, somente via e-mail: seogermano@prefeitura.sp.gov.br  aos cuidados da DOT-P, por meio da ficha de inscrição padrão, que será encaminhada pela DRE Penha no início do período de inscrição. Só serão aceitas inscrições, via memorando, no caso da escola apresentar problemas com a internet. As fichas deverão ser devidamente preenchidas, com todos os dados solicitados: nome da Unidade Educacional, RF, vínculo, nome completo (sem abreviação), cargo, função, padrão, unidade de lotação, unidade de exercício, RG, CPF.

CERTIFICAÇÃO: Farão jus à certificação os participantes que obtiverem frequência mínima 75% (setenta e cinco por cento) e conceito de aproveitamento satisfatório, sendo considerados, como instrumentos de avaliação os registros de participação, as devolutivas das tarefas propostas, a sistematização de uma ação coletiva que pressuponha um currículo interdisciplinar, ou um registro de uma ação em processo na Unidade Educacional.

OBSERVAÇÃO: Contatos através dos telefones: 3397- 9151, 3397-9152, e 3397-9154.


ÁREA PROMOTORA Diretoria Regional de Educação Penha - Profº Marcos Mendonça. Diretor da Divisão de Orientação Técnico-Pedagógica – Profº Sidnei Dalmo Rodrigues.

Nenhum comentário:

Postar um comentário